Easy Portuguese Reading || BBC News w/ Text || Vitamin D [Practice Listening]


Suplemento de vitamina D pode combater gripes
e resfriados, diz estudo A ingestão de suplementos de vitamina D pode
evitar que mais de 3 milhões de pessoas contraiam gripes ou resfriados no Reino Unido todos
os anos, revela um novo estudo. A vitamina D é vital para manter a saúde
dos ossos, mas também tem um papel central no sistema imunológico. O estudo, publicado na revista científica
British Medical Journal, defende que a vitamina seja adicionada obrigatoriamente na comida,
a exemplo do que já acontece com o leite nos Estados Unidos. Mas autoridades de saúde britânicas alegam
que os dados sobre as infecções não são conclusivos, e não recomendam a ingestão
do suplemento sem acompanhamento médico. Segundo o Public Health England (PHE), departamento
de saúde do Reino Unido, a vitamina D só deve ser consumida para melhorar a saúde
dos músculos e dos ossos. O sistema imunológico usa a vitamina D para
criar armas antimicrobianas, que perfuram buracos em bactérias e em vírus. Como a vitamina D é produzida pela pele quando
exposta ao sol, muitas pessoas que vivem em países frios acabam tendo níveis mais baixos
do composto durante o inverno. Combater infecções usando suplementação
ainda é um assunto polêmico na comunidade médica, uma vez que testes feitos até agora
sempre produziram resultados díspares. Para obter uma resposta definitiva, cientistas
da Universidade Queen Mary, em Londres, reuniram dados de 11.321 (Onze mil, trezentas e vinte e uma) pessoas e conduziram 25 (vinte e cinco) experimentos diferentes. Eles analisaram infecções do trato respiratório
– que cobrem uma ampla gama de doenças, de simples espirros à pneumonia. De forma geral, o estudo revelou que, a cada
33 pessoas que tomam suplementos de vitamina D, uma evita contrair a infecção. Segundo os cientistas, a suplementação com
vitamina D seria mais efetiva do que as vacinas contra a gripe, cuja taxa de sucesso é de
uma para cada 40 pessoas. No entanto, eles ressalvam que a gripe – que
normalmente envolve febre e outros sintomas – é bem mais séria do que o típico resfriado. Também há benefícios maiores àqueles que
tomam pílulas diariamente ou semanalmente – em vez de superdosagens mensais, por exemplos
– e em pessoas que já tenham deficiência natural da vitamina, acrescentaram os estudiosos. Um deles, o professor Adrian Martineau, defende
a suplementação com vitamina D. “Considerando que o Reino Unido tem 65 milhões
de habitantes, e que 70% têm pelo menos uma infecção respiratória aguda por ano, tomar
suplementos de vitamina D diariamente ou semanalmente significa que 3,25 milhões de pessoas a menos
teriam pelo menos uma infecção respiratória aguda por ano”. O Public Health England já aconselha ingerir
suplementos de vitamina D no outono e no inverno com o objetivo de melhorar a saúde dos ossos
e dos músculos. A suplementação é recomendada durante todo
o ano para pessoas com baixa exposição ao sol, incluindo aquelas que vivem em casas
de cuidado ou que estão regularmente cobertas. Polêmica
No entanto, o tema continua cercado de polêmica, dividindo opiniões de cientistas. Louis Levy, diretor de Ciências da Nutrição
do PHE, afirmou: “A evidência sobre a vitamina D e sobre o combate da infecção é inconsistente
e esse estudo não fornece provas suficientes para embasar que recomendemos a ingestão
da vitamina para reduzir o risco de infecções do trato respiratório”. Mas para o professor Martin Hewison, da Universidade
de Birmingham e da Sociedade de Endocrinologia do Reino Unido, as descobertas são “impressionantes”. “Concordo com os autores que esse estudo embasa
uma nova recomendação de ingestão da vitamina D além de seus benefícios conhecidos para
a saúde dos ossos”, acrescentou. Martineau, da Universidade Queen Mary, de
Londres, reafirma a importância da ingestão regular de vitamina D e defende que o composto
seja acrescentado à comida. “Fortificar a comida com vitamina D permite
uma ingestão estável e de baixo nível de vitamina D que praticamente eliminou a deficiência
de vitamina D em vários países”.




Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *